Alexandre Cezilla - Head de Transformação Digital na Suzano.

Compartilhar no

Transformação Digital: 8 passos para implementar uma estratégia que funciona

Sem uma estratégia clara, raramente a Transformação Digital funcionará. Consolidamos 8 passos que garantem o sucesso da implementação desse processo.

Transformação digital é provavelmente um dos termos mais reproduzidos nos últimos anos em todo o mercado. Em muitos casos, ele até perdeu o significado — transformou-se num gimmick, um termo utilizado apenas para indicar que um profissional ou uma empresa estão a par das últimas tendências do mercado mundial.

Este é um tópico que precisa ser melhor trabalhado dentro da atual conjuntura do mercado. Porque sim, a transformação digital é um fenômeno importante, de primeira necessidade dentro do momento corrente — mas ela não pode ser tratada como uma “febre”. Ela é um tópico essencial, que precisa ser discutido seriamente.

Mas por quê? Por que é tão imperativo que tratemos da transformação digital? De acordo com as minhas experiências e estudos nessa área, eu posso assinalar três motivos que levaram a transformação digital ao estado de item de primeira necessidade atualmente:

1. Redução de custos e transformação de dados

A redução de custos da infraestrutura tecnológica e o aumento expressivo na velocidade de transformação de dados fomentaram a proliferação de dados disponíveis para uso. Segundo a IORG, 90% de todos os dados da história do planeta foram criados nos últimos dois anos — e não há como processar toda essa quantidade de insumos sem uma boa estrutura digital.

2. Lei de Moore

A geração dessa enorme quantidade de dados é estimulada pela Lei de Moore, que determina que à medida que o tempo passa, dispositivos cada vez menores e mais baratos poderão comportar cada vez mais dados. Existe um excelente vídeo feito pela Intel em que o criador dessa lei, George E. Moore, da própria Intel, explica como havia subestimado a capacidade evolutiva dos dispositivos de armazenamento de dados quando desenvolveu sua teoria.

3. Imediatismo e hiperpersonalização

O consumidor espera imediatismo e hiper personalização. Cada vez mais, as empresas estão num caminho de absoluto ajuste fino com as expectativas, dores, e ansiedades dos seus clientes.

Todo esse trabalho é feito de forma contínua e integra dados de diferentes naturezas. As metodologias tradicionais de trabalho, centralizadas e por muitas vezes morosas, não atendem na plenitude às necessidades da nova face do mercado. E é exatamente aqui onde muitas empresas falham: ao invés de adotar a transformação digital como uma nova cultura, elas tentam enquadrar as novas tecnologias em um paradigma antigo e defasado.

Não por acaso, diz a Forbes, 70% dos processos de transformação digital falham.

É um dado impressionante, mas cruelmente real. Muitos até mesmo acreditam que a ideia de transformação digital é apenas um mito.

Na minha experiência, não é assim que as coisas funcionam. Por um lado, a transformação digital é de fato essencial para o futuro das empresas em um mercado em que o dado e seu processamento possibilitaram serviços e produtos personalizados em um grau nunca antes visto. Por outro, de fato, a transformação não acontece como se fosse um passe de mágica. O que eu tenho visto nestes últimos anos com a Suzano, e aprendido em meu contato com diversos líderes de transformação digital em vários mercados, é que a transformação digital é um movimento.

Complexidade e engajamento

A complexidade e a necessidade de integrar diferentes expertises e áreas de conhecimento para o bom uso da transformação digital exige que toda a companhia se envolva neste empreendimento. Portanto, antes de mais nada, o primeiro passo para que a transformação digital ocorra de maneira plena é o estabelecimento de um novo modelo de liderança e de trabalho, cada vez mais colaborativo e inclusivo, com o uso da tecnologia.

Certa vez ouvir dizer de um amigo (e hoje digo pela minha própria experiência) que esse modelo não apenas requer tecnologia, mas cultura, pessoas e processos. Na verdade, acredito que nessa mudança estão envolvidos 30% de tecnologia e 70% de cultura, processos e pessoas.

transformacao-cultural
Como surge a transformação cultural.

Segundo um artigo da BCG, entre os principais motivos para a falha em processos de transformação digital podem ser listados: erros na criação de uma estratégia clara a respeito dos objetivos da transformação; ausência de engajamento dos altos escalões da empresa; e falta de monitoramento efetivo do estado de evolução dos processos de transformação.

Para mim, esse primeiro fator — clareza em relação aos objetivos da transformação — é absolutamente crucial e destrava a resolução dos outros fatores. É preciso saber exatamente onde a organização deseja chegar; e só se faz isso quando o C-level da empresa deve estar comprometido com o projeto — e, depois dele, o comprometimento deve se espalhar para toda a empresa.

Como revelei acima, muitas lideranças se atrapalham na hora de estabelecer o foco dos objetivos da transformação digital — e sem uma estratégia clara, ela não funciona. Porém, existe uma maneira para arquitetar o foco. Considerando a experiência que tenho tido nos últimos anos, creio que esse processo pode ser consolidado em oito passos para obter uma transformação digital de sucesso.

Nos últimos anos temos implementado a transformação digital da Suzano e vejo que temos tido sucesso em muitos processos de mudança cultural, modelo de trabalho e resultados consistentes e sustentáveis. Fruto desta experiência e atendendo ao pedido de muitas pessoas que estão implementando transformação digital em suas empresas, consolidei em 8 passos para o processo de implementação deste movimento. Para mim, são passos imprescindíveis e de grande complexidade, e nenhum pode ser ignorado ao longo de todo o percurso:

1. Definição da estratégia digital

2. Mapeamento de oportunidades reais

3. Valoração e priorização das oportunidades

4. Plano tático para captura oportunidades

5. Implementação de quick wins

6. Criação de governança

7. Estruturação de uma área

8. Plano de comunicação e mudança cultural

Cada um deles possui sua própria importância e precisam de um desenho próprio. É um processo demorado para desenvolvê-los. A maioria das pessoas não conhecem as exigências para lidar com eles, e terminam entrando na estatística da Forbes que mencionei acima.

Assista à nossa weme talks sobre Transformação Digital em tempos de crise:

👀  O que ler depois

 5 atitudes para não banalizar o erro e aprender com ele

5 atitudes para não banalizar o erro e aprender com ele

Cecília Simões Varanda

Saber mais
O que é ESG e sua relação com a inovação

O que é ESG e sua relação com a inovação

Thu Oliveira

Saber mais
Corporate Venture Building para grandes empresas

Corporate Venture Building para grandes empresas

Mauricio Bueno

Saber mais

Que tal assinar nossa newsletter?

Nossos conteúdos são feitos pra quem não quer deixar de aprender mesmo na correria do dia a dia:

• Formatos curtinhos
• Curadoria de ótimas fontes
• Divulgação de eventos e conteúdos sobre inovação e design
• Uma vez por semana pra não lotar sua caixa de entrada
• Feitos com muito amor 💜