Mauricio Bueno

Compartilhar no

Que tal tirar a estratégia do PowerPoint e colocá-la na prática?

Uma boa estratégia é aquela que acontece. A execução vem com o engajamento das pessoas de times, áreas e empresas. Por isso, é preciso transformar a jornada da estratégia para que ela seja mais real, inspiradora e gratificante para todos.

Se você tem um papel de líder em grande organização provavelmente já se viu horas e horas desenhando a estratégia e desdobrando diretrizes para sua área ou empresa em um incrível documento de planejamento estratégico que fará parte de uma apresentação elaborada e será pauta de diversas reuniões por algum tempo. Saiba que é muito provável que a gestão média eos membros dos seus times não consigam listar as 3 prioridades da estratégia que você se dedicou tanto para definir e comunicar.

Estudos sugerem que 93% das pessoas de uma empresa não entendem a estratégia e apenas 2% dos colaboradores de uma empresa lembram e citam as 3 prioridades da estratégia. Você aí deve estar pensando: "Mas isso é diferente entre líderes responsáveis por executar a estratégia". Infelizmente não é muito. Cerca de 28% dos gerentes e executivos responsáveis por executar a estratégia também não conseguem listar as 3 prioridades do negócio.

Isso pode ser bastante frustrante para você. Mas asseguro que ainda mais desapontante é a experiência dos colaboradores em grande parte das empresas que propõem jornadas de execução burocráticas, lentas e pouco coordenadas.

Embora, como afirmou Clayton Christensen: "A estratégia não é nada além de boas intenções senão for bem implementada", grande parte da energia sobre os estudos e práticas da estratégia estão dedicadas a definição de metas, objetivos e leitura de cenários. Enquanto o engajamento e a inspiração do dia a dia, vitais para a execução, estejam entre as últimas prioridades.

Mas afinal, o que é estratégia?

Existem diversas definições para estratégia no ambiente organizacional e elas evoluem em constante transição. O Bruno Souza, executivo, empreendedor e colega de mestrado sintetizou de forma muito clara em seu trabalho¹, o caminho que as teorias relacionadas percorreram até os tempos de hoje.

Nos anos 80, a abordagem dominante proposta por Porter, ressaltava a estratégia com ênfase nas ações que as organizações podiam desenvolver para criar posições defensivas contra as forças competitivas. Avançando para a próxima década, Shapiro propôs a visão da estratégia com a ênfase nos conflitos estratégicos.

Com a ferramenta de teoria dos jogos, a abordagem de Shapiro vê os resultados competitivos com uma função de eficácia com que as empresas mantêm seus rivais fora do equilíbrio.

Próximo aos anos 2000, a teoria baseada nos recursos (RBV - Resources Based View),apoiando-se nos conceito de Porter e Shapiro, focou na organização interna das empresas.Propondo que a competitividade estratégica vem da articulação dos recursos existentes em uma organização.

O aumento da competitividade global, o contexto de rápido avanço tecnológico e as transformações nas relações de trabalho, demonstram a fraqueza dos paradigmas existentes e a necessidade de novas abordagens para se compreender vantagem competitiva. A teoria baseada nos recursos, não conseguia explicar como e por que algumas empresas atingem vantagem competitiva em situações de mudanças rápidas e imprevisíveis ². Empresas que passaram a liderar o mercado eram aquelas que estavam apresentando capacidade de resposta rápida e flexível, acoplada à capacidade de gestão para coordenar ambientes internos e externos ³.

Nesse cenário, emergiu o modelo teórico que mais influencia o padrão de modelo da estratégia para os nossos tempos. A teoria das capacidades dinâmicas que enfatiza dois aspectos-chave que não eram foco de atenção nas perspectivas anteriores. O termo “dinâmico” refere-se à capacidade de renovar as competências, assim como alcançar a congruência em ambientes de negócios em constantes mudanças. Certas respostas inovadoras são necessárias, quando o time e o tempo de lançamento de produtos e serviços no mercado são críticos, a mudança tecnológica é rápida e a natureza da concorrência e mercados futuros é difícil de determinar. O termo “capacidades” enfatiza o papel fundamental da gestão estratégica na adequação, integração e reconfiguração das competências organizacionais internas e externas, dos recursos e das competências funcionais para se adequar às exigências de um ambiente em constante mudança.

De forma contemporânea, tomo a liberdade de sintetizar o conceito de estratégia na intenção de ampliar a coerência com contexto dinâmico de grande parte dos negócios atuais, expondo da seguinte forma: O processo intencional de integração, construção e reconfiguração de competências internas e externas na direção de atingir objetivos da empresa em ambientes de rápida mudança.

Embora, desde o trabalho de Michael Porter nos anos 1980 até a teoria das capacidades dinâmicas tenhamos clareza e amplitude no estudo sobre o que é estratégia, sabemos muito pouco sobre como trazer isso para realidade. Os artigos e livros publicados sobre estratégia são muito mais numerosos do que aqueles sobre execução. O pouco que se tem escrito sobre execução tende a se concentrar em ferramentas, modelos e táticas de forma muito generalizada.

-> Já conferiu nossa weme class sobre estratégia? Clique aqui e assista agora!

O que sabemos sobre execução?

Um estudo da Deloitte mapeou durante dois anos os principais fatores que interferem na execução da estratégia. O resultado é que nenhum fator isolado tem mais impacto do que "metas claramente definidas, que estejam estabelecidas e livremente compartilhadas.As metas criam alinhamento, clareza e satisfação no trabalho".

Essa conclusão pode nos induzir ao erro de que basta então estabelecer uma meta e comunicar isso. Mas a forma com que a meta é definida, compreendida e acionada, depende de um conjunto integrado de pressupostos que ampliam a execução. Esses pressupostos estão profundamente ligados ao tema de engajamento: o envolvimento, a integração e a interação das pessoas e times entre eles e com a estratégia. Aprofundando a discussão, esse conjunto de pressupostos foi exposto no artigo da Harvard Business Review.

Segundo os autores, os pressupostos de engajamento que ampliam a execução da estratégia são:

1) É preciso haver coordenação e colaboração entre pessoas e times. O alinhamento de todos com a estratégia por si só não amplia o engajamento e consequentemente a execução.

2) A capacidade e a abertura para adaptação deve ser mais importante quanto seguir um plano estático e rígido.

3) Para todas as pessoas envolvidas é fundamental garantir a compreensão e não apenas comunicação.

4) Uma cultura de recompensa por desempenho não basta. É preciso reconhecer outros pontos como por exemplo agilidade, trabalho em equipe ou ambição.

5) Deve-se abrir espaço para a articulação e sinergia rápida entre os diferentes níveis.Bottom up e top down.

Quanto de energia você dedica e mobiliza sobre esses tópicos? Provavelmente, assim como 70%das organizações, muito pouco.

Nessa direção, as poucas organizações que propuseram a tratar engajamento no processo de estratégia tiveram êxito e ganharam ainda mais relevância com o contexto das capacidades dinâmicas. Destaque especial para um executivo que ainda nos anos 70, propôs um método de estratégia que tomava em conta esses elementos de engajamento. Andy Grove apresentou a sua abordagem no livro High Output Management publicado em 1983 e seu grande laboratório de ensaios foi a Intel, onde ocupou o papel de CEO.

Um dos alunos formados na Intel por Grove foi John Doerr. Doerr, em sua carreira de investidor e advisor acabou popularizando a metodologia dos OKRs através da aplicação em empresas mais contemporâneas como o Google por exemplo. Desde outras organizações modernas como Twitter, Dropbox, LinkedIn, Slack, Spotify e também empresas estabelecidas como Oracle,Anheuser-Busch, BMW, Disney, Exxon e Samsung destacaram a eficácia do método. ⁴

Como funciona o modelo do OKR?

O acrônimo OKRs é a combinação de Objetivos - Objectives (O) e Resultados Chaves - Key Results(KRs.).

De forma simples. A empresa, as áreas, times e cada pessoa de uma organização deve ter os seus. Um conjunto de 3 a 5 OKRs é o bastante para equilibrar clareza e simplicidade de ondequeremos chegar e a consistência de que estamos olhando para tudo o que nos fará chegar.

Em OKR. O Objetivo é O QUE deve ser alcançado. Objetivos são significativos, concretos, orientados por ações e inspiradores. Cada objetivo deve ter de 3 a 5 Resultados Chave (KRs). OsResultados Chave monitoram COMO chegamos aos Objetivos. São específicos e limitados no tempo, agressivos, porém realistas, mensuráveis e verificáveis.

No livro escrito por John Doerr, Measure what matters, ele usa o exemplo do OKR corporativo que definiu o futuro da Intel nos anos 80:

Definição de objetivo e resultados chave.

O método dos OKRs tem algumas premissas importantes: É preciso deixar claro o "o quê" mas também o "como", eles são feitos trimestral ou até mensalmente, OKRs são públicos e transparentes, são definidos de baixo para cima ou lateral, devem ser dissociados da remuneração e são agressivos e determinados.

Na perspectiva do engajamento, o grande mérito da metodologia dos OKRs é simplificar, focar e intensificar a compreensão e a coordenação aumentando a transparência, a flexibilidade e consequentemente o engajamento. Como afirmou Tabajara Bertelli, presidente da Ultragaz:

Quando desenhamos o planejamento estratégico no ano passado, percebemos a distância que existia em relação ao que nós tínhamos na empresa com aquilo que estava desenhado. Quando vimos a oportunidade de trabalhar com OKRs, entendemos o benefícios do poder de comunicação dos objetivos de forma mais clara; conseguir fazer ajustes de curto prazo para corrigir ou até acelerar o planejamento; e, por fim, garantir um olhar mais horizontal com todos da empresa alinhados em um mesmo objetivo.

Como nós ajudamos empresas a avançarem com a estratégia?

Na weme, já ajudamos diversas empresas em sua jornada de desenho e implementação da estratégia. Pode ser uma surpresa mas o que aprendemos é que replicar modelos, como por exemplo o dos OKRs, não é a solução para aumentar o engajamento com a estratégia no seu negócio. Somos designers, e colocamos as pessoas no centro das nossas decisões. Defendemos que é preciso compreender os colaboradores e líderes, os seus mecanismos, e desenhar uma jornada de estratégia que faça sentido, inspire a prática no dia a dia e seja acima de tudo gratificante.

Queremos romper o modelo tradicional, lento e burocrático de consultoria de estratégia com a ampliação significativa no engajamento e consequentemente na realização dos objetivos de times, áreas e empresas. Nessa jornada pioneira, já estamos apoiando times e áreas em empresas como Bosch, Ultragaz, Starrett e Grupo Pedra. Sobre a abordagem da weme com estratégia, Christian Arntsen, presidente da Starrett afirmou:

A weme nos ajudou a trazer a inovação não apenas em novos produtos, mas trazer inovação em tudo que fazemos, em todas as áreas, mudar o nosso modelo mental e otimizar nossos processos.

Vamos participar da revolução do engajamento da estratégia com a gente?


Referências

¹ Bruno Correa de Souza. Nova Lima, 2018. 201 f.: il. Orientador: Prof. Dr. Bruno Henrique Rocha Fernandes.Dissertação (Mestrado) – Fundação Dom Cabral.

² Eisenhardt, Kathleen M., and Jeffrey A. Martin. "Dynamic capabilities: what are they?." Strategic managementjournal 21.10‐11 (2000): 1105-1121

³ Teece, David J., Gary Pisano, and Amy Shuen. "Dynamic capabilities and strategic management." Strategicmanagement journal 18.7 (1997): 509-533.

⁴ Doerr, John. Measure what matters: How Google, Bono, and the Gates Foundation rock the world with OKRs.Penguin, 2018.

👀  O que ler depois

Intraempreendedorismo: o que é e suas características

Intraempreendedorismo: o que é e suas características

Aline Oliveira, Fernanda Machado e Nathália Conti.

Saber mais
Feedback ou Feedforward? Entenda a diferença entre os dois.

Feedback ou Feedforward? Entenda a diferença entre os dois.

Carolina Nucci

Saber mais
Por que os softwares de CRM falham?

Por que os softwares de CRM falham?

Aline Oliveira (Thu)

Saber mais

Que tal assinar nossa newsletter?

Nossos conteúdos são feitos pra quem não quer deixar de aprender mesmo na correria do dia a dia:

• Formatos curtinhos
• Curadoria de ótimas fontes
• Divulgação de eventos e conteúdos sobre inovação e design
• Uma vez por semana pra não lotar sua caixa de entrada
• Feitos com muito amor 💜