Nas últimas semanas, praticamente do dia para a noite, empresas do mundo todo se viram forçadas a fazer um giro de 180 graus em suas operações, desafiando milhares de pessoas a equilibrar os pratinhos de trabalhar, cuidar da casa e dar atenção aos filhos em tempo integral. Mas isso todo mundo já sabe.

O que ainda estamos todos tentando descobrir é como manter o ritmo nesse novo cenário, transformando-o, em meio ao caos, em uma oportunidade de aprendizado. Em um primeiro momento, sobre o contexto que nos foi imposto muito antes do que imaginávamos: o futuro do trabalho. Ou seria presente?

Para isso, fomos entender como diversas empresas - das médias às grandes - estão enfrentando esse momento, e separamos as melhores práticas, a seguir:

1. Confie nas pessoas

No anseio por manter a produtividade da equipe em um modelo de trabalho ao qual ainda não estavam acostumados, é comum que muitos gestores caiam na armadilha de querer monitorar seu time em tempo integral. Mas é necessário dispensar o microgerenciamento, como aconselha a Supersonic, empresa eleita Great Place To Work na qual 100% dos colaboradores trabalham remotamente e que entende que, enquanto o time estiver cumprindo suas metas dentro dos prazos combinados e na qualidade esperada, está tudo bem. A Bosch também aposta na autonomia de seus colaboradores: mesmo em um contexto particularmente desafiador, que é o de prototipagem em IoT - que muitas vezes demanda a presença física dos times -, a área optou por empoderar suas equipes dando a elas flexibilidade de tempo e espaço para a execução do seu trabalho, como contou para a gente o Jefferson Simoni, Head do departamento. 

Afinal, o trabalho remoto é uma oportunidade única para que cada um produza no momento do dia que melhor lhe convém - e é muito provável que o futuro do trabalho seja exatamente assim: colocando no centro as preferências pessoais, o autodesenvolvimento e responsabilidade. Por isso, o próximo ambiente de trabalho ao qual iremos assistir deverá, mais do que qualquer outro, saber se adaptar e aprender a confiar que seus funcionários são plenamente capazes de gerenciar sua produtividade e desenvolvimento pessoal - aqui na weme, confiando nesse novo modelo, já contamos inclusive com um modelo de autopromoção. Não apenas esse novo mindset pode nos guiar a uma força de trabalho mais saudável e equilibrada, como também libertar as lideranças para que estas possam focar no seu próprio trabalho também.


2. Lembrem-se de cuidar uns dos outros

É comum que, uma vez no conforto da própria casa, as pessoas caiam na auto armadilha de trabalhar muito além da jornada de trabalho pré estabelecida. Cabe à empresa, nesse momento, não incentivar esse movimento. Sabendo disso, a Ambev estimula seus funcionários a dedicarem somente algumas horas do dia exclusivamente à empresa, deixando o restante do tempo livre para práticas de meditação, yoga e outras atividades proporcionadas pela própria empresa em sua plataforma online. Além disso, a companhia também providenciou um "guia do Home Office", aconselhando seu colaboradores com boas práticas para o trabalho remoto.

Em suma, o pior que se pode fazer à produtividade das pessoas nesse momento é dizer à elas que se adaptem sem apoiá-las a construir um novo mindset, como aponta o Professor Assistente de Harvard Srini Pillay. É preciso que a organização assuma que produtividade não é estar focado constantemente - de fato, o estudo aponta exatamente o contrário: uma melhor gestão de energia e concentração pede um equilíbrio entre foco e descanso: o primeiro momento para atingir o pico da produtividade; o segundo, para dar o fôlego que o cérebro precisa para estimular a criatividade, memória e novas ideias.


3. Clareza e transparência são suas melhores amigas

Tenha processos bem documentados para guiar seu time sem que ele precise te chamar o tempo todo. É assim que a Supersonic garante que os líderes não sejam interrompidos a todo instante para tirar dúvidas da equipe e também que as pessoas tenham a autonomia necessária para dar sequência ao seu trabalho. 


4. E os momentos de integração?

Uma dica para tornar a rotina mais leve e os times mais unidos, potencializando o trabalho em equipe, é promover diferentes oportunidades de integração durante a semana, como na Ambev. Em seu "facebook corporativo", a companhia tem diversas iniciativas para alegrar o expediente, até mesmo DJ, como contou para a gente o Lucas Bragagnolo, Sr. Innovation Analyst da empresa. Além disso, uma boa prática dos próprios colaboradores foi manter o cafézinho da tarde de pé: todos os dias, às 16h, eles têm horário marcado para um break em conjunto. E não somente a Cervejaria sabe manter a descontração: a Laura Reis, Latin America Innovation Coordinator da Mars, nos contou que por lá os times têm dado leveza à nova rotina incentivando que, no começo das reuniões, todos compartilhem um pouco do seu dia em casa, o que tem tudo a ver com a dica da weme, nesse artigo, de promover momentos de conexão entre as pessoas.

Tendemos a pensar que o trabalho remoto afasta as pessoas. Mas foi o contexto atual que fez com que, pela primeira vez para muitos, conhecêssemos as pessoas por trás dos profissionais, entrássemos em suas casas e cumprimentássemos seus filhos pequenos. Afinal, a mesma tecnologia que hoje nos permite trabalhar de maneira e em lugares independentes entre si é aquela que nos aproxima. :)


5. Proporcione a estrutura necessária

Até antes da pandemia, 65% das 150 melhores empresas para se trabalhar no Brasil já apostavam no home office. Entre elas figuram nomes como Itaú Unibanco, Hospital Albert Einstein e Oracle. O que todas elas têm em comum? O apoio ao colaborador em estruturar um espaço do lar para a função. 

A questão não é que o futuro do trabalho é remoto. A questão é que ele é mais human-centered e flexível: onde você se sente bem em estar nesse momento para trabalhar? Seus critérios para responder a essa pergunta levam em consideração seu bem estar físico e mental? São as respostas para essas perguntas - afirmativas ou não - que, se verdadeiras e genuínas, indicam: qual o futuro do trabalho?

Aqui na weme, também estamos o tempo todo reescrevendo nossa resposta para essa pergunta. Se quiser se juntar a nós nessa jornada, estamos em intensa coconstrução para apoiar o ecossistema nesse momento tão desafiador. Vem com a gente? :)

Fontes

https://gptw.com.br/conteudo/artigos/melhores-praticas-home-office/

https://www.mckinsey.com/business-functions/organization/our-insights/getting-ready-for-the-future-of-work

https://www.mckinsey.com/featured-insights/future-of-work/rethinking-the-workplace-flexibility-fairness-and-enlightened-automation/pt-br#bigvid

https://entrepreneurshandbook.co/the-future-of-work-is-creative-flexible-and-human-749b3c14648d

https://www.supersonic.ag/blog/como-fizemos-uma-empresa-de-trabalho-remoto-se-tornar-um-great-place-to-work/

*Conversas com Bosch, Ambev e Mars :)