Eveline Ferreira

Compartilhar no

Matriz CSD: O que é e como utilizar na sua estratégia?

Matriz CSD é uma ferramenta estratégica de definição de certezas, Suposições e Dúvidas acerca de um projeto. Veja como usar!

A matriz CSD é uma excelente ferramenta para auxiliar nos projetos de Design na etapa de descoberta e exploração de hipóteses. Aqui na weme utilizamos a matriz CSD em diversos projetos para nos aprofundar acerca dos desafios de nossos clientes.

Neste post iremos trazer dois exemplos de uso dessa ferramenta e o que descobrimos a partir dela.

O que é Matriz CSD?

Antes de falarmos sobre os projetos é importante sabermos o que é uma matriz CSD: a sigla significa Certezas, Suposições e Dúvidas (CSD). É uma ferramenta que designers utilizam para levantar e alinhar as Certezas (o que já sabemos), Suposições (o que supomos, mas não temos certeza e precisamos confirmar) e Dúvidas (o que precisamos descobrir, quais perguntas precisamos fazer) sobre o desafio dos clientes ou do público de estudo no projeto. 


Esta ferramenta é especialmente útil para a descoberta e desenvolvimento de novos produtos e serviços.

Template Matriz CSD

O template de matriz CSD é muito simples: basicamente dividimos um quadro em 3 quadrantes e cada um deles representará uma das letras da sigla. O formato fica assim:


Para cada certeza, suposição e dúvida que o grupo de trabalho do projeto for elencando, coloca-se um post-it no quadrante correspondente. Neste momento é a hora de colocar tudo o que vier à cabeça referente ao projeto, é um brainstorm focado nas certezas, suposições e dúvidas em relação à problemática do cliente.

Dicas rápidas para o preenchimento do template

  • Neste momento de preenchimento da matriz, não se preocupe em gerar consensos. É hora de colocar tudo no papel e deixar à vista de todos. Não tem problema divergir, o objetivo é juntar o maior número de perspectivas possíveis. A diversidade de opiniões é muito bem vinda;
  • Quando existirem opiniões divergentes sobre um assunto, ele deve ser alocado no quadrante de suposições. Isso evita longas discussões sobre o tema;
  • O que soar como uma certeza absoluta deve ir para a coluna de certezas. Não se preocupe, elas podem “cair” ou ser comprovadas na pesquisa exploratória de campo; 
  • Todas as áreas da matriz podem ser preenchidas com perguntas, informações ou dados de aspectos comerciais, contextuais, motivacionais, processuais etc relacionados ao desafio do cliente.

Agora que já explicamos o que é matriz CSD, como é o template e como devemos preenchê-la, vamos para o case da weme.

Case: Como montar uma nova trilha de desenvolvimento de líderes de uma grande indústria?

Antes de falarmos sobre como aplicamos a matriz CSD neste case, vamos contextualizar sobre o desafio deste projeto.

Contextualização

Neste projeto a weme auxiliou uma indústria de grande porte a criar uma trilha de desenvolvimento de líderes que fosse clara e eficiente para todos os colaboradores da empresa.

Certezas: Temos certeza de que os colaboradores desejam ser mentores e auxiliar no desenvolvimento de seus colegas. Neste exemplo, comprovamos a vontade dos colaboradores com base em evidências de pesquisas realizadas anteriormente na empresa.

Suposições: Achamos que os colaboradores confundem avaliação de desempenho com feedback. Neste caso, mais uma hipótese : acreditávamos que os colaboradores não tinham clareza conceitual sobre as avaliações que eram realizadas na empresa.


Dúvidas
: Precisamos descobrir qual é a real percepção dos colaboradores sobre o antigo programa de desenvolvimento de líderes. Aqui, nós não fazíamos ideia de qual era a percepção dos colaboradores sobre o antigo programa de capacitação da empresa.


Confira os resultados desse projeto:

4 momentos estratégicos para aplicar a Matriz CSD


A Matriz CSD pode ser utilizada em quatro momentos estratégicos do projeto:

No kick off: Momento de definição de escopo e alinhamento de expectativas com os clientes ou  patrocinadores do projeto. Nesse momento, é importante extrair o máximo de informações possíveis sobre as percepções do cliente, em relação ao desafio do projeto.

Antes de ir a campo: A ferramenta pode ser utilizada como insumo para a construção de roteiro de entrevista e observação do usuário (pessoa diretamente impactada pelo produto/serviço que queremos criar/melhorar).

Após o campo: Após as primeiras impressões coletadas em campo, a Matriz CSD pode ser novamente revisitada. Neste momento, é muito comum que algumas dúvidas elencadas lá no início sejam sanadas e tornem-se certezas, assim como as certezas iniciais podem passar a fazer parte do quadro das suposições.

No final da Sprint de Design: no final da Sprint de Design, é muito comum fazermos uma oficina de aprendizado para refletirmos sobre os próximos passos do projeto. Esta oficina pode seguir dois caminhos diferentes:

A: Iteração (melhoraria) do protótipo; 

B Pivotar, ou seja, abandonar o protótipo e selecionar uma nova ideia para prototipar.

Em ambos os casos é válido relembrar a Matriz CSD feita no início do projeto para validar informações importantes sobre o usuário e outros aspectos. Ao pivotar, é comum a equipe perceber que precisa fazer novas entrevistas, às vezes com uma persona (perfil do usuário ideal) diferente — neste caso, é necessário elaborar uma nova Matriz.

5 vantagens de usar a Matriz CSD

1. Agilidade

Com uma matriz CSD em mãos, é possível agilizar o processo de início de um projeto já com alguns caminhos a serem seguidos. Como dissemos anteriormente, a ferramenta pode auxiliar na construção do roteiro de entrevistas que será utilizado na etapa de exploração e conhecimento das pessoas envolvidas no problema do cliente.

2. Gestão do conhecimento sobre o projeto

Nada pior do que uma equipe desalinhada acerca dos objetivos e prioridades de um projeto. A falta de gestão do conhecimento gera diversos problemas como atrasos, erros de interpretação, gastos desnecessários e na pior das hipóteses, perda do cliente. Por isso, a gestão do conhecimento levantado acerca do desafio do projeto deve estar acessível a todos os envolvidos no processo de sua construção.

3. Documentação centralizada

Imagine que você está participando do desenvolvimento de uma solução e deseja revisitar uma entrevista realizada há 3 meses para validar uma informação e não encontra este registro em lugar nenhum.

Além da dor de cabeça e do stress da possibilidade de ter perdido um elemento importante para o projeto, imagine o atraso que isso pode causar. No melhor dos cenários, refação da entrevista correndo o risco de perder informações relevantes que foram dadas no contexto passado, perda de confiança do cliente, atrasos nas sprints e no pior dos cenários cancelamento de contrato.

Para evitar uma situação como esta, a matriz CSD ajuda na documentação e centralização dos principais pontos levantados com uma diversidade de pontos de vista diferentes.

4. Diversidade e perspectivas

Diversidade é a mãe da inovação. Isso acontece porque ao analisarmos uma mesma situação sob a ótica de diferentes stakeholders a riqueza de construção do conhecimento acerca de um problema se expande.

5. Priorização de atividades e ações

A matriz CSD permite criar um quadro amplo em que colaborativamente todos os envolvidos no projeto possam elencar o que é mais importante descobrir para o desenvolvimento da solução do problema. Isso torna o time mais ágil porque economiza tempo e dinheiro, focando sempre, no que trará mais valor ao cliente.

Dicas extras para facilitadores!

Em relação às certezas. O papel do facilitador é provocar os participantes nos grupos a repensarem seus vieses, pré-conceitos e tendenciosidades tidas como verdades absolutas.

Em relação às dúvidas. No início do processo é comum que o grupo tenha muitas dúvidas, que vão se tornando certezas com as descobertas do campo (entrevistas/observação). É importante orientar o grupo sobre isso!

Evite discussões prolongadas! É comum que os participantes gerem longas discussões sobre em qual dos três campos inserir informações. Neste ponto é importante orientar o grupo que à intenção do exercício é gerar divergência de opiniões, afinal, estamos ampliando possibilidades e não convergindo para um ponto de acordo. Caso haja divergência sobre onde inserir uma informação específica, pode-se incluir os dois pontos de vista ou fazer uma votação rápida entre as pessoas do grupo.

É importante ressaltar que no processo de Design Thinking não existe certo nem errado  - a forma como conduzimos o exercício da Matriz CSD vai depender da complexidade do desafio e do comportamento do grupo de participantes.

Uma Matriz CSD é uma estrutura valiosa de informações classificadas em certezas, suposições e dúvidas que nos ajuda a refletir sobre a abrangência do problema que estamos tentando compreender. Vale lembrar que esta é uma ferramenta viva:  uma vez construída, pode ser alimentada ao longo do projeto de acordo com os exemplos mostrados acima. A mesma matriz feita no kick off pode ser utilizada continuamente ao longo das oficinas/workshops, e no fechamento de projeto.

👀  O que ler depois

Intraempreendedorismo: o que é e suas características

Intraempreendedorismo: o que é e suas características

Aline Oliveira, Fernanda Machado e Nathália Conti.

Saber mais
Feedback ou Feedforward? Entenda a diferença entre os dois.

Feedback ou Feedforward? Entenda a diferença entre os dois.

Carolina Nucci

Saber mais
Por que os softwares de CRM falham?

Por que os softwares de CRM falham?

Aline Oliveira (Thu)

Saber mais

Que tal assinar nossa newsletter?

Nossos conteúdos são feitos pra quem não quer deixar de aprender mesmo na correria do dia a dia:

• Formatos curtinhos
• Curadoria de ótimas fontes
• Divulgação de eventos e conteúdos sobre inovação e design
• Uma vez por semana pra não lotar sua caixa de entrada
• Feitos com muito amor 💜