Christian Arntsen

Compartilhar no

Hackeando a Indústria: Entrevista com Christian Arntsen.

Christian Arntsen, presidente da Starrett, abre a série de entrevistas com C-Levels sobre inovação na indústria. Nesse bate-papo, falamos sobre as principais formas de inovar na indústria e quais os possíveis caminhos para quem está começando essa jornada agora.

A Starrett é uma multinacional americana com mais de 140 anos de história. Uma indústria bastante tradicional, "arroz e feijão" - como cita o Christian. Para ele, o grande desafio é trazer a cultura e o espírito de inovação à empresas que não nasceram nesse contexto VUCA em que vivemos hoje.

Confirma nossa entrevista:

Na sua visão, onde estão as principais barreiras para trazer a inovação na indústria?

O primeiro ponto é esse: inovação, na maioria das empresas tradicionais, está relacionada a novos produtos. Esse foi o primeiro grandíssimo desafio. (...) Nós estávamos numa situação bastante confortável, numa empresa histórica de sucesso e eu estava assumindo a presidência da empresa com uma série de mudanças. Tudo que a gente fazia, em todas as áreas da empresa, era feito da mesma forma há 20 anos. (...) então nós queríamos mudar o mindset das pessoas, nosso desafio era fazer com as pessoas não pensassem que inovação era só para produtos e serviços. (...) Eu queria que fizéssemos diferente, que as pessoas olhassem a inovação em tudo que a gente faz e vamos ver se temos formas melhores de fazer, mais baratas e eficientes. Vamos focar o nosso tempo para fazer coisas que adicionam valor. 


Como a Starrett vem equilibrando a integração entre a melhoria contínua e a inovação?

Isso também é um grande desafio. A gente tem que ficar com um olho do peixe e o outro no gato, não podemos deixar o dia a dia, os KPIs, objetivos de faturamento de lado. Mas ao mesmo tempo, também temos que ter um espaço pra pensar além disso. Tem coisas de melhoria contínua que são melhorias incrementais e eu vejo que inovação é uma melhoria exponencial. A melhoria contínua é super importante, inclusive temos um programa robusto dentro da Starrett que reforça isso e daí vem muita coisa de segurança do trabalho, melhorias para o ambiente de trabalho, etc. Esse é um dos grandes desafios das empresas tradicionais: como eu consigo olhar para h1, h2 e h3 e destinar um pouco do tempo para pensar como será daqui há 5 anos por exemplo. 


Como você enxerga a inovação frente às novas tecnologias digitais que estão surgindo?

A gente vinha num algoritmo, pequenos passos e aos pouquinhos, mas aí veio o que veio e batemos numa parede de concreto, então precisamos acelerar. Coisas como o home office, pra nós tudo isso era muito distante. Não era coisa de Itu (sede da Starrett), sabe? Mas virou coisa de Itu. Teve que ser muito rápido, exponencial a mudança. Por exemplo, sem equipe de vendas, como manteríamos esse pessoal motivado? A gente se preocupou muito com isso. Programas de saúde mental, física. E aí a weme foi fundamental para nós porque como eu disse, estávamos fazendo alguns movimentos pré-Covid e de repente tivemos que aprender tudo muito rápido. Usamos vocês pra nos ajudar a acelerar esse processos.

Eu acho que as empresas têm que ter os C-levels entendendo que a inovação é importante, top down. Se a liderança acha que isso é nice to have, isso é péssimo para a organização toda.

Outra coisa, se você conseguir pegar uma equipe que vai destinar algumas horas da semana pensando no h3 ou no h2, isso já é um passo muito grande. Mas se isso não vier top down e as pessoas acharem que isso é florear, aí a coisa não vai. Muito importante que, independente do tamanho das organizações, destinem x% de horas e budget para pensar nisso.

Nessa jornada toda, qual foi seu grande aprendizado? E qual conselho você daria para indústrias que estão começando nessa jornada?

Se você é a Starrett ou a padaria da esquina, todos tem que pensar em inovar. Olha o que está acontecendo hoje.. quantos padeiros pensaram em fechar as portas e mandar todo mundo embora e outros estão no ifood bombando? O que nós estamos passando com o covid-19 trouxe para àqueles que achavam que isso era meio floreado, histórinha ou nice to have, a percepção do quão crucial é a inovação daqui pra frente. Independente do tamanho da empresa, a inovação tem que fazer parte da estratégia de qualquer negócio. 


Assista na íntegra a entrevista:

Inscreva-se no Hackeando a Indústria: https://hackeandoaindustria.weme.com.br/#inscreva-se

👀  O que ler depois

Intraempreendedorismo: o que é e suas características

Intraempreendedorismo: o que é e suas características

Aline Oliveira, Fernanda Machado e Nathália Conti.

Saber mais
Feedback ou Feedforward? Entenda a diferença entre os dois.

Feedback ou Feedforward? Entenda a diferença entre os dois.

Carolina Nucci

Saber mais
Por que os softwares de CRM falham?

Por que os softwares de CRM falham?

Aline Oliveira (Thu)

Saber mais

Que tal assinar nossa newsletter?

Nossos conteúdos são feitos pra quem não quer deixar de aprender mesmo na correria do dia a dia:

• Formatos curtinhos
• Curadoria de ótimas fontes
• Divulgação de eventos e conteúdos sobre inovação e design
• Uma vez por semana pra não lotar sua caixa de entrada
• Feitos com muito amor 💜