Daniel Cobianchi

Compartilhar no

Ambidestria Organizacional: como equilibrar sustentação e disrupção?

Trabalhar com Inovação e Design Estratégico é decidir encarar as grandes mudanças do mundo como oportunidade, e não como ameaça. É escolher manter e expandir o impacto positivo que as organizações têm na sociedade, garantindo sua relevância no presente e no futuro. Esse é o meu trabalho na weme — e tenho o prazer de fazer isso ao lado de executivos ambiciosos de diversas organizações.

Esses executivos que temos apoiado são como Ana. Ana é Gerente de Marketing de uma grande corporação. Uma multinacional centenária que tem “inovação” e “excelência operacional” entre seus valores — mesmo, teoricamente, esses dois conceitos sendo, um pouco (senão demasiadamente) contraditórios. O dia a dia dela é repleto de calls, reports, budgets, forecasts… Eis que um dia, Ana recebe um presente do CEO. Uma caixa. E dentro dessa caixa, tinha um chapéu… o famoso “chapéu da inovação”.

Ana olha para o chapéu. O chapéu olha para Ana.

Ana já tem o “chapéu do Marketing”. Uma cabeça. Dois chapéus. Qual vestir? Como? O que era mais estável, previsível, calculável, cheio de precedentes… se tornou volátil, incerto, complexo e ambíguo.

Como lidar agora com duas lógicas tão distintas? Marketing (ou poderia ser qualquer outra área) e Inovação? Bem, esse é o dilema do inovador.

O dilema do inovador

O conceito foi cunhado por Clayton Christensen, um professor e estudioso de inovação, que desde a década de 90 fala exatamente sobre esse desafio de conciliar duas operações tão diferentes: sustentação e disrupção.

Enquanto a sustentação é a melhoria de performance em produtos e serviços existentes, a disrupção é o atendimento às necessidades futuras dos clientes. Aqui, então, estamos falando de duas formas de explorar os negócios: Exploitation e Exploration. Traduzindo, ambos os termos, em português, significam “exploração”, por isso vou manter Exploitation e Exploration para diferenciarmos.

Exploitation foca no que a organização tem agora. Baixo nível de incerteza e altas taxas de sucesso. Foco no ganho a curto prazo. Com isso, a organização aumenta: confiabilidade, eficiência e controle.

Exploration foca no que ainda não se sabe. Investigação de novos negócios ou novas formas de fazer negócios. Consome recursos em curto prazo e o retorno é incerto, distante e atrasado. Alto nível de incerteza e baixas taxas de sucesso.

exploitation-exploration

E por que operar essas duas lógicas é um dilema? Porque as empresas querem avanços mas não toleram os erros iniciais. É pra dar conta do manejo dessas duas lógicas que existe o conceito de Ambidestria Organizacional.

Ambidestria Organizacional

O objetivo da Ambidestria Organizacional é construir capacidades organizacionais para acomodar o Exploitation e o Exploration — ao mesmo tempo.

Existem 3 tipos de Ambidestria Organizacional:

Ambidestria Contextual


Cada colaborador pode escolher entre Exploitation e Exploration. Isso acaba funcionando quando as iniciativas de Exploration não estão tão distantes do core, o que é não tão comum. Um único contexto organizacional pode não dar conta da Ambidestria.

ambidestria-contextual

Ambidestria Sequencial


Ambidestria por meio de uma separação temporal. A atenção está em períodos diferentes de tempo. Apresenta práticas gerenciais adequadas para cada estágio de uma iniciativa. Pode ser problemático no nível organizacional por reconfigurar a estratégia, estrutura e processos de acordo com cada estágio.

ambidestria-sequencia

Ambidestria Estrutural


Exploitation e Exploration em unidades de negócio diferentes. Diferentes estratégias, estruturas e processos. Demanda muito trabalho e empenho do top management, já que é necessário gerenciar diferentes unidades com diferentes estruturas.


ambidestria-estrutural

Todos esses modelos são possibilidades de Ambidestria Organizacional.


Todas com prós e contras. Foi pensando num quarto modelo, onde pudesse aproveitar o que há de melhor em cada um dos três, que Yan Chen, uma professora chinesa da Universidade de Michigan, propôs o conceito de Ambidestria Dinâmica. Funciona da seguinte forma:

A Ambidestria Estrutural (separar Exploitation e Exploration em unidades de negócio diferentes) fica no nível corporativo. Algumas unidades exploram oportunidades e negócios existentes, enquanto outras exploram oportunidades radicais. Diferentes estratégias, estruturas e processos.


A Ambidestria Contextual, onde cada colaborador pode escolher entre Exploitation e Exploration, é aplicado ao nível das unidades de negócios. O objetivo é criar um contexto organizacional todos os colaboradores são encorajados a explorar novas ideias, conectadas a uma estratégia corporativa e, principalmente, a estratégia da unidade de negócio.

E a Ambidestria Sequencial, que usa práticas gerenciais dependendo do estágio de cada projeto, é destinada ao nível dos projetos. Novas iniciativas de Exploration são incubadas até encontrarem um Modelo de Negócios viável. Depois disso, torna-se um projeto de Exploitation, focado na execução.

Para sustentar a Ambidestria, é necessário implementar uma série de estratégias, estruturas e processos. Yan Chen (2017), em “Dynamic ambidexterity: How innovators manage exploration and exploitation”, nos apresenta:


Estratégia

No Exploitation: Estratégia Deliberada — a estratégia é definida e desdobrada. No Exploration: Estratégia Emergente — não se deve impor diretrizes estratégicas a novas iniciativas, ao contrário: deve-se explorar diferentes possibilidades e aguardar o surgimento de orientações estratégicas.


Estrutura

Exploitation: Mecanicista — para áreas focadas no Exploitation, como Vendas, Jurídico e Finanças. Exploration: Orgânica — para áreas mais focadas no Exploration, como P&D e Engenharia.


Incentivos

Exploitation: Pagamento por performance. Exploration: Tolerância ao erro e sucesso a longo prazo — recompensas afastam a motivação intrínseca e impedem a exploração. O ideal é criar uma política de incentivos que leve em conta a tolerância dos erros iniciais e recompensem pelo sucesso a longo prazo. E não apenas tolerar os erros, mas celebrá-los. Celebrar os erros reduz a aversão ao risco e motiva as pessoas a tomar maiores riscos.


Processos

Exploitation: Execution-oriented — orientação à execução para alcançar eficiência (fazer certo as coisas) e eficácia (fazer as coisas certas). Exploration: Search-oriented — navegando pelo lean startup, design sprint, agile, onde não se especifica todos os requisitos logo no começo do projeto. Avanços de forma incremental e iterativa. Experimentação e feedbacks proporcionam oportunidades para identificar o que funciona e o que não e, assim, procurar modelos de negócios viáveis.


Envolvimento do cliente

Exploitation: Mainstream customers — envolvimento de clientes convencionais porque lida com demandas de mercado existentes/atuais. Exploration: Lead users — demandas de mercado latentes. Temos que falar com clientes que experimentam as necessidades a frente dos convencionais (innovators/early adopters) — eles vão ajudar a as demandas latentes.


Supply Chain

Exploitation: Eficiente — prazos de produção mais longos, altos custos de setup e lotes maiores. Demandas previsíveis — foco em eficiência, redução de custos e maximização da qualidade. Exploration: Responsivo. Prazos de produção menores, baixos custos de setup e lotes menores. Demandas não previsíveis necessita de adaptação a mudanças (de features e de demandas). Foco em flexibilidade e capacidade de resposta.


Aquisição

Exploitation: Integração — complementar o business e adquirir recursos críticos pro negócio. É preciso integrar de forma rápida e efetiva. Exploration: Autonomia — desenvolvimento de novos negócios por meio do desenvolvimento de novas capacidades. A autonomia deve ser protegida para continuar tendo sua própria estratégia, estrutura e processos. Integração prematura deve ser evitada porque a integração dissolve a empresa adquirida e destrói as capacidades de exploração.

A ambidestria vale a pena?

O investimento para realizar a Ambidestria superam os custos? Para Yan Chen, a resposta a longo prazo é “sim!”, já que a Ambidestria Organizacional constrói capacidades organizacionais necessárias para trabalhar com o Exploitation e com o Exploration, possibilitando que as empresas enfrentem as ameaças disruptivas e resolvam o dilema do inovador.


A Ambidestria ajuda a garantir a sobrevivência e prosperidade organizacional de longo prazo, já que reconhece que Exploitation e Exploration são lógicas contraditórias e usam diferentes formas práticas de gestão. Gerir essas duas lógicas requer muito comprometimento e habilidades extraordinárias e é uma jornada que nunca acaba.


Referências

CHEN, Y. Dynamic ambidexterity: How innovators manage exploration and exploitation. Business Horizons, Indiana, 60, p. 385–394, 2017.

CHRISTENSEN, C. M. O Dilema da Inovação: Quando as Novas Tecnologias Levam Empresas ao Fracasso. São Paulo: M.Books do Brasil Editora, 2012.

👀  O que ler depois

Intraempreendedorismo: o que é e suas características

Intraempreendedorismo: o que é e suas características

Aline Oliveira, Fernanda Machado e Nathália Conti.

Saber mais
Feedback ou Feedforward? Entenda a diferença entre os dois.

Feedback ou Feedforward? Entenda a diferença entre os dois.

Carolina Nucci

Saber mais
Por que os softwares de CRM falham?

Por que os softwares de CRM falham?

Aline Oliveira (Thu)

Saber mais

Que tal assinar nossa newsletter?

Nossos conteúdos são feitos pra quem não quer deixar de aprender mesmo na correria do dia a dia:

• Formatos curtinhos
• Curadoria de ótimas fontes
• Divulgação de eventos e conteúdos sobre inovação e design
• Uma vez por semana pra não lotar sua caixa de entrada
• Feitos com muito amor 💜